Especial

HQs | 4 momentos de representatividade LGBTQ+

Muitos personagens abertamente LGBTQ+ marcam presença nas histórias em quadrinhos, acredite se quiser!

Porém, desde o Código dos Quadrinhos, que trouxe regras para a criação dessas histórias se tornou difícil publicar mais histórias representativas.

O “Código dos Quadrinhos”, estabelecia alertas de “perigos” aos temas abordados nas revistas. O resultado disso foi a proibição de monstros sobrenaturais, violência e homossexualidade nas histórias.

Com o tempo, o código perdeu força e possibilitou o retorno da diversidade aos quadrinhos. Por isso, reunimos neste post os HQs que você ainda não viu?

APOLO E MEIA-NOITE, PRIMEIRO CASAMENTO GAY NAS HQs

Reprodução/DC Comics

Meia-Noite e Apolo são um casal de heróis originais, fortemente inspirados em Batman e Superman. Foram criados para a HQ Stormwatch durante a fase em que o quadrinista Warren Ellis descreveu a equipe.

Embora sejam retratados como um casal desde sua primeira aparição, o par trocou alianças somente em 2002, pela revista The Authority. A escrita ficou por conta de Mark Millar e esse se tornou o primeiro casamento LGBTQ+ em um HQs.

THOR E HULK É UM CASAL

Divulgação/Marvel Comics

Em uma nova batalha dos Vingadores surge um novo grupo intitulado “Jovens Vingadores”. Entre eles estão os integrantes Hulkling e Wiccano, adolescentes com superpoderes que decidem manter vivo o legado de seus heróis.

Teddy Altman possui a metamorfa e vira um monstro verde gigante inspirado no Hulk. Billy Kaplan tem poderes mágicos que se comparam ao de Thor.

Além de ser uma história divertida, traz todos os conflitos que um casal de heróis homossexuais poderiam enfrentar ao se assumir.

BATWOMAN É LÉSBICA

Divulgação/DC Comics

Quebrando todos os protocolos da DC, surge nos anos 2000 uma nova Batwoman, que não tem intenção de ser ligada como par romântico do homem-morcego.

Filha de um militar, a garota segue carreira no exército até ser denunciada por ser lésbica e por conta da política que proibia homossexuais declarados de assumir cargos militares, que existiu no mundo real até 2011, Kate foi dispensada.

Sua vida muda mesmo em Gotham, quando ela reage a um assalto e acaba tropeçando no Batman. Isso a inspira e vocês já devem imaginar o fim da história.

MULHER-MARAVILHA É BISSEXUAL

Divulgação/DC Comics

A Mulher-Maravilha é nascida e criada em Themyscira, uma ilha que habita apenas mulheres.

Porém, qualquer teoria que surja só pôde ser confirmada no quadrinho Mulher-Maravilha: Terra Um, que trouxe o assunto de forma subliminar. Na história, Diana chama a amazona Mala de “minha amante”.

Para deixar você ainda mais curioso, Greg Rucka, roteirista responsável pela trama nos cinemas, afirmou a um tempo atrás: 

“ninguém na DC me disse ‘ela deve ser heterossexual’. Nunca”.

Viu como podemos ser surpreendidos?

Mas e ai, você já leu alguma dessas histórias, conta pra gente.

Comente aqui!!!!