Cinema Crítica

Crítica | Histórias Assustadoras – Paralelo com o horror da realidade

Todo mundo já conhece a fascinação de Guillermo Del Toro pelo terror. Criaturas monstruosas, enredos assustadores e visuais sombrios fazem parte da narrativa e estética do cineasta mexicano. Enquanto ainda produz o remake de “O Beco das Almas Perdidas”, Del Toro lança agora seu novo roteiro, dessa vez dirigido por André Øvredal (A Autópsia), “Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro”. O filme é baseado na série de livros homônima escrita por Alvin Schwartz.

“Histórias Assustadoras” mostra um grupo de adolescentes se metendo em uma aventura cheia de mistério e terror, após invadirem uma casa mal assombrada. Na invasão, os garotos roubam um livro amaldiçoado que se torna responsável pelo desaparecimento de alguns jovens da cidade. O filme é protagonizado por Zoe Margaret Colleti (Annie) que interpreta Stella e Michel Garza (Jogos Vorazes: A Esperança) como Rámon.

Zoe Margaret Colleti e Michel Garza

Del Toro ganha destaque em Hollywood por sua criatividade sem limite e habilidade em traçar paralelas entre mundo real e fantasia. Em “A Forma da Água”, por exemplo, é possível enxergar elementos das dificuldades que os norte-americanos enfrentam hoje em um Estados Unidos em plena Guerra Fria. Em “Histórias Assustadoras” identificamos a comparação da eleição de Richard Nixon com o atual mandato de Donald Trump, evidenciando questões como imigração e abuso de poder policial.

O filme segue a estética sessentista de maneira bem sucedida, misturando signos do horror com iconografia de um Estados Unidos do passado. Os monstros misturam gore com medo, nos oferecendo sensações de tensão, aversão e nojo, cumprindo seu objetivo como filme de terror, proporcionando diversão para os amantes do gênero.

O ponto baixo de “Histórias Assustadoras” é o desenvolvimento fraco do enredo e as inserção preguiçosas das motivações dos personagens. Como dito antes, o plot funciona bem quando cria correlação entre realidades passadas e atuais, mas acaba servindo apenas como pano de fundo.

O longa se manifesta no cinema em sua forma mais clara. Para inteligentes, é possível se divertir enquanto reconhece signos e paralelos com o que vivemos e para leigos o filme cumpre sua função de entreter e desviar do mundo real. Mais um acerto de Del Toro e Øvredal.

“Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro” estreia hoje (08) nos cinemas.

Comente aqui!!!!