Cinema Crítica

#mostrasp | Papicha – Uma revolução árabe e feminista

Na década de 90, a Argélia viveu uma intensa guerra civil em um embate entre o governo e rebeldes islâmicos onde mais 200 mil vítimas foram assassinadas. Retratando uma parte do confronto, a diretora Mounia Meddour lança “Papicha”, filme que representa a Argélia na corrida do Oscar 2020 e será exibido na 43ª Mostra de Cinema Internacional de São Paulo.

Apesar de ter sido censurado em seu país, “Papicha” foi indicada à Mostra Paralela de Cannes “Um Certo Olhar” (perdendo para o brasileiro “A Vida Invisível”) e já teve sua estréia nos Estados Unidos, validando sua candidatura ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no próximo Academy Awards. As conquistas do longa norte-africano fazem jus à qualidade que Mounia e sua equipe estabelecem no filme, contando a história de garotas formando resistência contra o extremismo e suas tradições de opressão à mulher.

Com um elenco repleto de atrizes representando uma geração feminista que não se permite a submissão ao homem, o enredo do filme é uma apresentação ao ocidente da cultura islâmica sem permitir muitos didatismos recorrentes em filmes estrangeiros direcionados ao circuito internacional. Na medida certa, “Papicha” agrada todos os públicos sem abandonar a importância de sua raiz argelina.

“Papicha” estará disponível na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s