Em entrevista à Fader Magazine, Normani fala sobre as restrições do Fifth Harmony, racismo e próximo álbum

Normani é a capa da revista Fader no mês de Dezembro, onde aproveitou para fazer algumas revelações.

A interprete de “Motivation”, falou sobre como o Fifth Harmony a restringiu como artista.

Para não perder nenhuma novidade do mundo do entretenimento, siga o Premiere Line no Instagram, Twitter e Facebook

“Eu não sinto que enquanto eu estava no grupo alguém viu a versão mais verdadeira de mim. Não tive a oportunidade de mostrar que … não sou capaz de seguir o caminho que quero [por causa] do que o grupo era “.

Após sofrer racismo na época da girlband, Normani comentou:

“[As meninas] ofereceram apoio, mas não tenho certeza de que elas poderiam estar do jeito que eu precisava, porque não é a experiência delas … elas não tenho que enfrentar no dia a dia as coisas que eu tenho que fazer. Eu definitivamente aprendi depois disso que eu tinha que andar de uma maneira diferente. Não posso parecer com todo mundo. “

Sobre o significado pessoal de seu próximo álbum: “Estou fazendo isso como terapia para mim … para poder me conhecer de uma maneira que ainda não foi revelada ainda, para ser vulnerável de uma maneira que eu não tenho ‘. não foi antes. Quero que isso seja como um diário de todas as mulheres – para refletir e mostrar as muitas camadas de nós. Nós não somos unidimensionais. “