Cinema Crítica Criticando Destaque Em Alta Especial Review

CRITICANDO: Aves de Rapina: Arlequina E Sua Emancipação Fantabulosa – Simples, direto e divertido

Arlequina (Margot Robbie), Canário Negro (Jurnee Smollett), Caçadora (Mary Elizabeth Winstead), Cassandra Cain e a policial Renée Montoya (Rosie Perez) formam um grupo inusitado de heroínas. Quando um perigoso criminoso começa a causar destruição em Gotham, as cinco mulheres precisam se unir para defender a cidade.

Parece que na nova fase “episódica” da DC nos cinemas existe espaço para todos: Um Aquaman super grandioso, um SHAZAM mega família, um Coringa de Oscar e um grupo de garotas badass que deixaria “As Panteras” bem chateadas por não verem o quão simples era acertar em cheio.

Não me entenda mal, Aves de Rapina está LONGE de ser um filme perfeito, porém em um momento no qual discutimos a necessidades de personagens femininas fortes ORIGINAIS, não apenas versões como uma possível 007 mulher ou um grupo de caça fantasmas, Arlequina e suas amigas (como apelidado) se diverte com suas próprias possibilidades.

Tendo a doutora (COM DOUTORADO SIM ~segundo a mesma que não é uma fonte confiável) palhaça do crime como narradora oficial somos levados a ver todo seu processo de luto pelo término com o Coringa e logo aqui já levamos um primeiro tapa social: Harley nunca foi vista como uma pessoa, apenas era um acessório de seu namorado. Inclusive a mesma cita que por diversas vezes ele levou crédito sobre crimes que ela cometeu.

Margot não perdeu o jeito. Todos os trejeitos de Esquadrão Suicida aqui estão melhorados e com seu tempo em tela fica fácil dela brilhar mais ainda. O filme, para ajudar, ainda toma a liberdade de usar narrações, animações, musicais e muita coisa das HQ´s como tiros coloridos e mudanças súbitas de figurino. Conseguindo levar uma dramaticidade que apenas arranhamos em sua primeira aparição, fica aqui o gosto mais uma vez de que aquele filme poderia ter sido MUITO melhor (e não, NÃO FOI o Coringa Leto que o estragou, mas falaremos sobre ele).

Para compor o time das mocinhas temos a Canário Negro, que busca apenas sobreviver após um trauma de sua vida, sem se importar para quem trabalha, porém com um coração grande, ela acaba sendo uma das personagens que mais tem um passado pesado, mostrando como as mulheres são caladas e vêem outras serem humilhadas sem fazer nada por se sentirem impotentes. Ironias a parte, é a melhor figura de linguagem uma vez que o poder da personagem é a voz. A detetive Renée Montoya passa por uma situação, infelizmente normal, para muitas mulheres: Trabalhar muito e certo e um homem levar sua promoção e um outro ponto interessante é que ela é a a mais velha do grupo, mostrando também que nunca é tarde para se sair de uma posição incômoda. Temos Cassandra Cain, uma órfã que bate carteiras e acaba por acaso no meio dos planos do vilão. Imigrante, pobre e adotada por uma família problemática ela é um excelente ponto para ver que amor no lar (por mais que seja com uma “EX” criminosa) faz muita diferença. Nesse cenário a única que destoa é a Caçadora (piada recorrente inclusive o seu nome no filme) que é a personagem que basicamente é movida a vingança.

No filme temos apenas dois vilões: Zsasz, o famoso capanga que é até um bom personagem, mas fica bastante na sombra do grande vilão, para mim TOP 3 FÁCIL desse novo universo DC: Máscara Negra. Ewan McGregor está solto e suave no papel, fazendo suas afetações serem composição e não caricatura a um personagem que mostra o homem perigoso: Vaidoso, egocêntrico, rico, desrespeitoso e que acha que mulheres são propriedades.

Tudo isso funciona lindamente, só não funciona perfeitamente pois a montagem do filme fez ele ser meio sofrido. É perceptível as cenas das refilmagens e as que não são, fazendo alternar entre algumas coreografias de lutas incríveis com algumas meia boca. Umas barrigas aqui e ali para encher linguiça também ficam evidentes no começo do segundo ato, talvez um medo do filme ficar curto demais.

Aspectos técnicos são muito impressionantes uma vez que o orçamento do filme foi bem curto (75 milhões sem contar as refilmagens) porém a roteirista do filme se prova uma excelente nova aposta uma vez que “Bumblebee” e Aves de Rapina são filmes de “baixo” orçamento (se comparados as franquias principais das quais fazem parte) que funcionaram muito bem com suas limitações apostando alto numa história simples e carisma.

Uma coisa “ruim”: É e não é uma continuação! O Coringa de Jared Leto é completamente ignorado, ou quase completamente. Nenhuma representação dele é parecida, tirando uma cena reaproveitada de Esquadrão e uma na qual ele aparece de costas, porém a própria Arlequina fala sobre os eventos do seu filme de origem numa boa… Fica aí a pergunta de como vão amarrar isso aí.

Dirigido por Cathy Yan (Dead Pigs), Aves de Rapina: Arlequina e a Sua Fantabulosa Emancipação conta com Margot Robie (Era Uma Vez…Em Hollywood), Jurnee Smollett-Bell (True Blood), Rosie Perez (Rise), Mary Elizabeth Winstead (Projeto Gemini), Ella Jay Basco (Teachers), Ewan McGregor (Doutor Sono) e Chris Messina (Sharp Objetics) o filme estreia no Brasil no dia 06 de fevereiro de 2020.

NOTA: 3.5/5

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s