Ir para conteúdo

Do drama ao crime, Netflix entrega história segura e atraente em Ozark

Apesar de não estar entre as séries mais hypadas da Netflix, Ozark é considerada por muita gente uma das melhores produções originais da plataforma. A história contada em tons frios e diálogos fortes é um prato cheio para o fã de tramas que envolvem drama, crimes, estratégias de negócios e é a dica da quarentena da vez.

            O enredo nos apresenta a família Byrde, encabeçada por Marty – interpretado por Jason Bateman (eterno Michael Bluth, de Arrested Development) –  um ‘pai de família normal’, mas também exímio lavador de dinheiro. Sem muito spoiler, após anos trabalhando para um cartel de drogas mexicano, o protagonista se vê em uma situação de vida ou morte que envolve sua família e a impossibilidade de se livrar do crime que comete.

            A história logo passa a ser contada nos Ozarks, região de lagos americana conhecida por ser refúgio de famílias ricas durante o verão. Ao se mudarem para lá, os Byrde não só enfrentam uma instabilidade forte na relação familiar, que envolve traição e os filhos adolescentes, como também precisam se envolver cada vez mais com a lavagem de dinheiro do cartel.

            É a partir desse plot que muitos e muitos desdobramentos vão surgindo ao longo da série. Nos são introduzidos personagens que adicionam dramas à jornada de Marty e, mais do que isso, elevam bastante a qualidade do elenco. Ozark tem uma história bem contada, mas as atuações a tornam ainda mais extraordinária.

            A começar por Bateman, que além de protagonizar a série, também é um dos produtores executivos e ainda dirige diversos episódios – o que lhe rendeu um Emmy de Melhor Direção em Série Dramática. Se juntam à ele Laura Linney como Wendy Byrde, Julia Garner como Ruth Langmore, Peter Mullan como Jacob Snell, Lisa Emery como Darlene Snell e Tom Pelphrey como Ben Davis.

            O elenco de peso rouba a cena e consegue transmitir perfeitamente a evolução dos personagens. Laura Linney e Julia Garner merecem ainda mais destaque ao dividir o protagonismo com Bateman e, em certos momentos, até mesmo roubá-lo. As duas atrizes carregam seus personagens com um equilíbrio entre emoção e razão de forma primorosa e já colecionam indicações pelo grande trabalho que vêm fazendo.

            Outro ponto forte da série, que foi reconhecido pelo Emmy de direção que Bateman levou para casa, é a forma homogênea em que os vários diretores comandam seus próprios episódios. É sutil a diferença em suas direções, e os elementos principais marcam, junto com os planos e montagens que são a cereja do bolo para quem gosta de prestar atenção nos detalhes.

            Os destaques na parte técnica e na atuação complementam a narrativa que envolve o espectador em uma história que, constantemente, mostra fragilidade e a pior versão de cada pessoa, revelando que não há muito maniqueísmo em Ozark e nem tudo é sobre A ou B. As evoluções dos personagens e os caminhos escolhidos por eles vão elevando à cada temporada a trama da série de forma bem natural, sem forçação de barra ou mudanças inacreditáveis.

            Com três temporadas disponíveis na Netflix e a quarta – e última – já confirmada, Ozark se propôs a contar a história da família Byrde sem muita enrolação, já que com os 14 episódios que virão na próxima leva, serão 44 ao todo. Com um ritmo cadenciado e que aproveita ao máximo cada capítulo para evoluir na história, o fã sabe que pode esperar um encerramento capaz de amarrar bem os últimos passos de Marty e Wendy.

            Um bom gancho foi usado para que a última temporada tenha novidades nos desafios do casal Byrde. E sem contar com as histórias paralelas, que ganharam mais independência e também têm bom potencial para o quarto ano, comandadas por Ruth e Darlene e também prometem. 

Resta agora esperar a chegada do ato final, que com a pandemia deve levar mais tempo para ser gravado. Enquanto isso, fica a dica para quem gosta do gênero e ainda não se deu a chance de conhecer os lagos de Ozark. Apesar de episódios longos e densos, a história consegue prender o espectador e uma maratona pode sair até de forma natural para os mais apegados ao drama da família Byrde.

Categorias

Séries

Tags

premiereline Ver tudo

Sua maior fonte de cultura pop!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s