Música

Ativistas pelos direitos dos animais se enfurecem com clipe de “WAP” de Cardi B e Megan Thee Stallion

O clipe de WAP, parceria entre Cardi B e Megan Thee Stallion, já foi visto 60 milhões de vezes no YouTube desde seu upload na última sexta (7/8). Mas nem tudo é aclamação. O clipe já recebeu 11 mil “dislikes” e um deles é da ativista Carole Baskin, defensora dos direitos de grandes felinos. Ela acusa as rappers de abuso de animais.

Foto: (Divulgação/ Reprodução)

Em comunicado enviado para a imprensa, Carole Baskin acusa as estrelas do hip-hop de glamorizarem o fato de pessoas ricas terem tigres e felinos de grande porte. Para ela, a interação de Cardi B e Megan Thee Stallion com os animais, no contexto do clipe, faz com que todo fã “queira imitar e fazer o mesmo”.

A ativista explica que essa glamorização é o início de um ciclo tóxico para o bicho. A pessoa compra um felino grande e inevitavelmente o fim da história é um caso de abuso, praticado por zoológicos privados.

“Quando os tigres se tornam muito velhos para que pessoas como Joe Exotic, Bhagavan Antle, Marc McCarthy e Mario Tabrue paguem por sessões com eles, os animais se tornam um passivo em vez de um ativo. Embora eu ache que a maioria seja destruída atrás de portões fechados, alguns acabam doados para pessoas que querem ter um tigre para se exibir. Isso nunca dá certo e os gatos morrem ou acabam jogados em santuários. Ou, pior ainda, em criadouros. De qualquer forma, é sempre abusivo para o gato”, escreveu.

Foto: Divulgação

Megan Thee Stallion e Cardi B não gravaram junto aos animais

No clipe de “WAP”, Cardi B e Megan Thee Stallion não interagem de verdade com os felinos. As cenas em que os animais aparecem são resultado de efeitos visuais, graças à filmagem em chroma-key. Carole Baskin explica que, mesmo assim, as cenas glamourizam a posse do felino, além de colocar os animais em um ambiente estressante.

“Você tem que colocar um gato selvagem na frente de uma tela verde para obter essa imagem, e isso não acontece na natureza. Isso não pode acontecer em santuários como o nosso, onde os gatos têm muito espaço para evitar uma tela verde (ou iriam rasgá-la se tivessem acesso, e poderiam morrer por ingeri-la)”, criticou.

Carole Baskin conclui que a equipe de filmagem de “WAP” provavelmente trabalhou com Murder, Mayhem e Madness, “cafetões de tigres”, como ela diz. Os três são mostrados no documentário “Tiger King” da Netflix. “Eles ganham a vida espancando, chocando e deixando felinos famintos para que se posicionem na frente de uma tela verde em um estúdio”, afirmou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s