5 de março de 2021

CRITICANDO: PALMER – Simples, intenso e direto

Novo filme de Justin Timberlake é uma gotinha de amor no mar de coisas tristes que vivemos atualmente

Novo filme de Justin Timberlake é uma gotinha de amor no mar de coisas tristes que vivemos atualmente.

“A trama acompanha a vida de Eddie Palmer, um ex-astro de futebol americano que passou 12 anos na prisão. Após cumprir a sentença, ele retorna para a casa com o objetivo de reconstruir a própria vida. … Eddie logo cria uma relação paternal com o menino, mas os demônios de seu passado podem colocar tudo em risco.”

A vida sempre vive nos pregando peças e é nesse sentido que o filme nos leva. Somos apresentados a Eddie que prefere ser chamado pelo sobrenome Palmer. Um típico valentão de filme de high school, ex jogador de futebol que foi preso por uma briga.

Na volta ainda sendo mantido sob os olhares desconfiados de todos acaba acolhido na casa de sua vó que tem como companhia um garoto que mora em um trailer estacionado no seu quintal. A criança se chama Sam e é vítima de bullying na escola por sempre estar brincando com garotas ou com coisas “típicas” de meninas.

Quem é ou convive com pessoas LGBTQIA+ sabe da dificuldade de adaptação em diversas fases da vida, a rejeição de grupos na infância e o deslocamento durante a adolescência e o quanto isso magoa, afinal somos seres feitos para convívio social e ser obrigados a sofrer agressões e isolamentos acaba sendo “normal”.

Tendo um roteiro simples Palmer acaba acertando em mostrar todas as fases: A pessoa que nega, depois tenta se livrar, apoia escondido, se revolta, se omite, apoia publicamente e sofre repressão, toma atitudes… É muito acertada a visão do roteiro nesse sentido sem esquecer que Sam é só um instrumento de mudança na vida de Palmer, porém tornando-se indispensável naquela altura para o homem se livrar de tudo que o prende ao passado.

É um filme sobre amor, sobre sutilezas e preconceitos absurdos que temos como sociedade, afinal brinquedos são brinquedos, não tem gênero. Não existe brinquedo de menina e de menino, o que é maquiagem se não uma tinta de rosto? Porque coibimos nossos meninos sobre qualquer movimento, quanto não ouvi “NÃO DESMUNHECA, ANDA DIREITO, NÃO CHORA ISSO É COISA DE MENINA”? Eu sinceramente perdi as contas e esse filme me bateu forte e firme.

A atuação de Timberlake é certeira, sendo natural sem exageros e caricaturas típicas de valentões mas o destaque TOTAL e ABSOLUTO vai para Ryder Allen. Eu sempre destaco que crianças atuando são um perigo pois o carisma pode se transformar em algo maçante e mal feito em questão de segundos, mas aqui o garoto destrói. É ridículo de maduro, em todas as nuances para transitar entre a doçura e pureza de alguém que não entende os motivos pelo qual é xingado e é feliz mesmo assim. Posso estar errado, mas podemos estar vendo o surgimento de uma nova estrela aqui.

Dirigido por Fisher Stevens (Amigos Inseparáveis) e com o elenco contando com Justin Timberlake (Amizade Colorida), Alisha Wainwright (Shadowhunters), June Squibb (Good Girls), Ryder Allen (Law and Order) entre outros o filme estreou na AppleTV no dia 29 de Janeiro de 2021.

NOTA: 4/5