“O Legado de Júpiter” teria sido cancelada por ter custado mais que a Netflix estava disposta a pagar

A série original da Netflix “O Legado de Júpiter”, que tinha tudo para ser um grande sucesso na plataforma, acabou se tornando uma grande bomba.

Um novo relatório publicado pelo We Got This Covered, com informações do The Hollywood Reporter, analisa que o problema da série começou nos seus bastidores, quando o programa ultrapassou o seu orçamento e ficou muito atrasado.

Para não perder nenhuma novidade do mundo do entretenimento, siga o Premiere Line no Instagram, Twitter e Facebook

Steven DeKnight, que desenvolveu o projeto, teria pedido à Netflix mais de US$ 12 milhões por episódio, sendo que na sala do conselho da empresa, o programa ganhou um orçamento de US$9 Milhões por capítulo.

Com isso, as diferenças criativas acabaram levando a produção a se partir no meio, com DeKnight sendo substituído por Sang Kyu Kim, que foi então instruído a alterar fortemente os episódios que já estavam escritos.

Louis Leterrier de “O Incrível Hulk” e “Truque de Mestre 2”, foi convidado a se juntar ao time da série para ajudar no processo de pós-produção, onde o problema ficou maior, já que o orçamento foi para a casa de US$200 Milhões, sendo que o streaming esperava gastar apenas US$130 Milhões.

“Os programas da Marvel custam de US$ 15 a US$ 20 milhões por episódio”, observa um produtor que trabalha na área de quadrinhos. “Se você vai fazer um grande show de super-heróis, você precisa de pelo menos isso.”

No final, a Netflix decidiu cancelar o programa que não deu retorno financeiro, além de ser massacrado pela crítica especializada.