Star Wars e a Guerra Criativa: Por que o universo expandido é hoje melhor que os novos filmes?

Há muito tempo em uma galáxia muito distante, em 1977, George Lucas criava Star Wars, a franquia que mudou a história do cinema, e de tão incrível o seu universo, apenas os filmes não foram o suficiente para saciar o público que clamava por mais, então surgiu o Universo Expandido, onde livros, séries e jogos nos traziam mais histórias e personagens para nos fazer mergulhar em seu grande e vasto mundo.

Chegamos aos dias de hoje e nos deparamos com um fato, o carro chefe, a musa dos olhos, os Filmes deixaram de ser a melhor parte disso tudo. E foi ultrapassada por aquilo que deveria apenas complementá-los, e isso nos trouxe uma grande batalha dentro da Lucasfilm sobre quem deveria tomar conta das jóias da coroa. 

Para não perder nenhuma novidade do mundo do entretenimento, siga o Premiere Line no Instagram, Twitter e Facebook

De um lado temos a produtora executiva Kathleen Kennedy, escolhida por Lucas como sucessora no comando dos filmes após a Disney ter comprado os direitos do universo Star Wars, e do outro temos Dave Filoni, desenhista que, também escolhido por Lucas, trabalhou em expandir o universo após a trilogia dos anos 2000, sendo responsável pelas séries animadas e “Live Action” que temos hoje. 

A questão é, quem tem feito o melhor trabalho? 

Kathleen se encontra como líder em 5 filmes, sendo 2 bons, 1 controverso e 2 com críticas pesadíssimas, que tentam copiar desesperadamente o que já havia sido feito nos anteriores com Luke, Han e Leia, mas é claro, tendo uma obrigação maior com a Disney e suas vontades criativas, com um claro problema no direcionamento, tendo mudanças muito abruptas durante os lançamentos, sem dúvidas que com executivos dando pitácos em seu trabalho e que não são mentes criativas então os problemas aumentaram muito, mas que se mostrou com uma dificuldade muito grande em se definir qual rumo as histórias iriam tomar, exemplo a total mudança de roteiro do ep. 9 com a trama agora novamente incluído o Imperador Palpatine após críticas ao ep. 8.

Filoni pelo outro lado, que com aval de George, vem tendo muita liberdade e da própria Disney, para soltar toda sua nerdice em grandes ideias e novas histórias, que já nos renderam as ótimas séries animadas “Clone Wars” e “Rebels” e o novo sucesso da Disney+Mandaloriano”, com 2 temporadas de enorme sucesso que envolveram grandes diretores como John Favreau (Homem de Ferro), Taika Waititi (Thor: Ragnarok) e Robert Rodriguez (Pequenos Espiões), inspirou o estúdio e desenvolver mais 3 séries derivadas, sendo uma sobre a principal criação de Filoni, a personagem Ahsoka Tano, trazida dos desenhos e agora interpretada pela atriz Rosario Dawson, e que da um show em cima da última grande protagonista dos filmes, Ray

E dando o mérito à produção de games, com menção a produtora Respawn Entertainment pelo grande sucesso “JEDI Fallen Order”, que ganhou o prêmio de melhor jogo eletrônico de 2020, e a grande saga de livros direcionados a explorar histórias da franquia. 

Com isso tudo, fica a pergunta de quem deve tomar conta das jóias da coroa, os filmes? Porque afinal o principal produto de Star Wars é a sua saga nas telonas, que a grande maioria do público realmente se interessa, e que vem sofrendo a longa data desde os equívocos de Lucas nos episódios 1,2 e 3, e agora nas indecisões e mudanças dos episódios 7,8 e 9. 

Filoni tem sido muito sucedido em pegar coisas dos filmes que não gostamos, e transformar em algo mais bem feito e que “corrige” seus problemas dentro da saga dos cinemas. Mas é irreal pedir ao fã convencional a ter que ir atrás de livros, jogos e series pra conseguir uma explicação melhor ou desenvolvimento de tramas e personagens.

Aumentando a pressão, por estar debaixo do guarda-chuva Disney, não podemos evitar as comparações de ambos os nomes citados aqui com o de Kevin Feige, produtor executivo e grande nome criativo por trás do Marvel Studios e que hoje ultrapassou Star Wars em relevância para o grande público nos cinemas, dessa forma jogando o sarrafo de gerência de universo lá no alto.Então quem deve ser o “líder” da Lucasfilm e do universo Star Wars como um todo? É fato de que os filmes precisam desesperadamente se encontrar após os últimos fracassos como Han Solo e Ascensão Skywalker. A perspectiva é que as coisas continuem da forma que estão, mas não duvidem que essa batalha de bastidores se acentue após o lançamento da série Obi-Wan Kenobi, em 2022, e que aconteçam reviravoltas em um futuro próximo na liderança do estúdio.